Propostas de Aloizio Mercadante

Aloizio Mercadante é o candidato do PT para o cargo de governador do Estado de São Paulo nestas eleições de 2010.

Em seu material de campanha já disponibilizado constam suas propostas de governo, dentre as quais, podemos citar:

Desenvolvimento: fomentar Modelo de Desenvolvimento Limpo – MDL, incentivando a cadeia produtiva limpa e sustentável; estimular o incremento da atividade turística em regiões do estado e elaborar Plano Estadual de Desenvolvimento do Turismo Paulista.

Emprego: políticas de microcrédito; políticas voltadas para a redução da burocracia e de apoio aos empreendedores; políticas de apoio e fomento à economia solidária.

Tecnologia: apoiar o desenvolvimento de projetos de governo eletrônico nos municípios paulistas; implantar banda larga, inclusão digital e novas tecnologias de informação eletrônica em todas as escolas públicas, na rede de saúde, na segurança, bem como nos demais serviços públicos oferecidos pelo estado e pelos municípios.

Infraestrutura: reativação do transporte ferroviário de passageiros e de cargas no estado; revitalização da Hidrovia Tietê-Paraná; duplicação da Rodovia dos Tamoios e ampliação do Porto de São Sebastião.

Meio ambiente: investir em programas de educação ambiental; formular política específica para as Áreas de Preservação Ambiental e para as populações tradicionais.

Educação: estímulo e apoio aos municípios para ampliação progressiva da rede de creches e pré-escolas em horário integral; implantar acesso à internet em banda larga em todas as escolas públicas estaduais.

Consulte o PDF para ler na íntegra o programa de governo de Aloizio Mercadante.

9 Comments

  1. Francisco de Assis Alves Ferreira

    22 de julho de 2010 às 17:45

    SUGESTÕES PARA MELHORAR O NOSSO SISTEMA DE ENSINO
    Sou o professor Francisco de Assis Alves Ferreira, sou titular na rede estadual de São Paulo e na Prefeitura do Município de São Paulo e trabalho há mais de vinte anos nas duas redes.
    No momento o Professor tem sido considerado pela imprensa e inclusive pela SEE como o grande vilão, frente ao fracasso de nossa educação. Estão esquecendo que há mais de uma década, após a Lei LDB/96 o Professor perdeu a autonomia sobre a avaliação. As progressões continuadas e parciais não ocorrem como estão escritas nas legislações.
    A constatação que faço como Professor é que antes a maioria dos alunos ainda pegava nos seus livros e cadernos pelo menos às vésperas de uma prova, agora, a grande maioria não faz isso. O ideal era que os nossos alunos desenvolvessem hábitos de estudos como: aula dada hoje, aula estudada hoje. A grande maioria não estuda de jeito nenhum. Eles se acostumaram a mudar de ano, independente se está ou não aprendendo.
    Os alunos perderam o compromisso de estudar, estou falando de alunos a partir da 3ª série do ensino Fundamental até o final do ensino médio. Não incluo as séries iniciais do Ensino Fundamental, pois é extremamente necessário o acompanhamento do responsável nessa fase.
    Competindo com o tempo que o aluno fica em casa e até mesmo na Escola, temos as mídias e tecnologias: televisão, computador, vídeo-game, MP3, MP4, etc.
    Sem contar que muitas vezes esse aluno que já é adolescente, fica em casa sozinho, pois seus pais estão trabalhando fora.
    Fico muito triste em constatar esses fatos, e mais triste ainda em saber que a nossos dirigentes e Governantes apontam como “bode expiatório” apenas o Professor. Estão querendo arrumar um culpado. O problema é bem mais complexo e a solução não será alcançada se não houver uma consciência clara de nossos governantes sobre todos os problemas que está vivenciando a Escola Pública hoje. Chega de importar teorias de Estrangeiros, temos que ir, nas raízes dos problemas. Fazer pesquisas e buscas de soluções junto aos Professores e Pais e temos uma ferramenta fantástica: a Internet. Que tal fazer uma pesquisa sobre a aprovação ou reprovação? Qual deverá ser a duração desse ciclos?
    Em Nova York, as Escolas Públicas estão dando bônus em dinheiro para os melhores alunos, isso evidencia que o problema de o aluno não querer mais estudar não está ocorrendo somente aqui no Brasil.
    Trabalho na Escola Pública, há mais de vinte anos e tenho dados para comparar o antes e o depois da LDB/96. A falta de compromisso do aluno após a implantação da Progressão Continuada é gritante!
    Para o Professor que pega quarenta e cinco alunos em uma sala de Ensino Médio, onde menos da metade tem condição de está naquela sala, é sofrível, falo isso, pois sou Professor de Matemática e por mais que se queira negar, Matemática representa a linguagem dos números. Se o aluno não aprendeu a linguagem básica inicial, como vai aprender uma Matemática que exige uma maior abstração e que é baseada na Matemática básica que o aluno não aprendeu? Eles chegam ao Ensino Médio em diversos estágios de aprendizagens. Fica humanamente impossível de ensiná-los juntos numa mesma sala.
    Quero deixar a seguinte pergunta aos nossos aos futuros dirigentes de nosso País:
    Será que basta cobrar o compromisso apenas do Professor se não for cobrado o compromisso do aluno e dos pais do aluno?
    Sugestões:

    Não estou pedindo para voltar à reprovação pela reprovação, mas que se criem dispositivos para cobrar de nossos alunos mais compromisso com os seus estudos.
    Que os ciclos sejam no máximo de dois anos com aprovação ou reprovação no seu final, poderiam até ser de um ano. Antes de haver a reprovação, que seja ofertada uma recuperação para o aluno que ficar em até três disciplinas no final de cada ciclo. Estará facilitando o trabalho do professor, pois as diferenças de aprendizagens estarão mais próximas. E isso cobrará mais compromisso do aluno.
    Quanto aos Professores serão polivalentes até o final do primeiro ciclo do Ensino Fundamental. A partir da terceira série até a quarta série, teremos três ou quatro professores. Um de Português; outro de Matemática e Ciências; Outro de História e Geografia e outro de Educação Física, isso evitará que algumas matéria sejam suprimidas, pois conheci alguns colegas que por não gostarem de Matemática, troca por uma outra matéria de sua preferência.
    O número de alunos por sala de aula não deve passar de trinta alunos.
    A formação do Professor e o estímulo com valorização devem ser levados em conta, sem esquecer os problemas sociais das comunidades mais carentes.
    A valorização do Professor inicia com o respeito quando se pretende implantar novas mudanças, pelo menos ouvindo a opinião dos mesmos sobre a mudança que pretende implantar. Estudei o meu ensino primário no auge de uma ditadura e hoje, aqueles que se diziam contra a Ditadura, que estão no Poder, parecem que esqueceram. Tenho sentido na pele essa ditadura, e até em alguns segmentos do de vários partidos que estão no poder.
    A valorização salarial do Professor é indispensável, pois estará valorizando também o conhecimento e a aprendizagem e será um chamariz para os melhores alunos, as melhores cabeças, caso contrário, só virão para a carreira os piores profissionais e que não conseguem vaga em outras áreas.
    Atenciosamente
    Professor Francisco de Assis Alves Ferreira

  2. Edson Siqueira Pinto

    13 de agosto de 2010 às 19:01

    Professor Francisco concordo plenamente com seu posicionamento, o sentimento que possuo é solidário ao seu, sinto que teremos que trabalhar até depois de aposentados mas não será por causa de dinheiro (espero) mas porque do jeito que se mostra o panorama educacional hoje o futuro projeta um cenário caótico devido á falta de profissionais com competência, já estamos sentindo a falta de profissionais para a área técnica-científica tanto para a educação quanto para as empresas da iniciativa privada, a carência já é muito significativa, dizem que tudo tem um lado bom, e neste caso é que teremos para nós (profissionais já estabelecidos trabalho abundante e com certeza poderemos até ficar escolhendo qual o melhor emprego para nós, ao invés dos departamentos de RH nos selecionar, nós selecionaremos a melhor empresa e também o melhor salário, é hilário mas não consigo ver outra situação que não seja esta.
    Não fomos nós professores que criamos a “Progressão Continuada” dançamos conforme a música, sem distoar da cantiga!!!!!!!!

  3. TEÓFILO R. SANTOS.

    27 de agosto de 2010 às 23:05

    Sou policial militar reformado, solicito do Senhor justiça nos salários dos reformados e pensionistas, pois existe uma disparidade nos vencimentos.
    Precisamos de uma assistencia médica e hospitalar para o pessoal do interior, tanto ativos, inativos e pensionistas; atualmente a assistencia médica e hospitalar no interior é feita através das associações de assistencia médica de classe APAS, ou através do SUS no caso dos não associados, muitos companheiros e pensionistas precisam se deslocar até a capital para tratamentos especiais no hospital da PM e Cruz Azul. Eu e minha esposa temos problemas cardiacos, fica dificil deslocar-se até a capital para nos tratar, precisa haver investimento na saúde dos policiais, ativos, inativos e pensionistas do interior do estado.

  4. claudia

    10 de setembro de 2010 às 22:10

    Gostaria de saber porque Aloisio Mercadante não propôe melhora de salário para professores do estado de São Paulo? Como ele pode prever melhoria na educação sem mecher no salário do professor. Será que ele sabe quanto ganha um professor/
    Outra coisa me assusta é o candidato ao governo do estado não desmentir na tv as afirmações de Alckimin. Não existe e nem nunca existiu dois professores em sala de aula. Não consigo entender porque tal barbaridade não é desmentida na Tv, já que o PSDB se vê no direito de publicar os dias em que Mercadante não compareceu as votações.

  5. alexis

    20 de setembro de 2010 às 18:57

    ea saude o que vc vai fazer com a saude que ro saver por favor para meu travolho de escola

  6. Ricardo

    22 de setembro de 2010 às 15:23

    gostei

  7. João Thiago Cianelli

    28 de junho de 2011 às 12:52

    Prezado Ministro
    Aloisio Mercadante

    Eu não Sou um simpatizante do PT por ideologia
    Mas Sempre fiu um admirador de sua pessoa pois vejo em Vossa Senhoria um administrador visionário
    Liguei a minha tv hoje durante a sua exposição de todos os projetos de sua pasta de Ciencia e Tecnologia principalmente quando Vossa Excelência falou sobre a herança que vamos deixar para nossos estudantes (jovens )
    Infelizmente tive mais uma vez que me deparar, com o que faz com que todo Brasileiro se desinteresse por politica. A Vergonha de termos que escutar a bandalheira que é a nossa politica não só por causa de sua pessoa mas por causa da maioria de nossos politicos em geral
    Com Projetos tão importantes de tão grande valia, se perdeu, quase duas horas em um assunto sem fim que não chega a lugar nenhum
    Não sou entendido o suficiente para discutir sobre esses assuntos de corrupção e de desmandos no governo
    Por isso peço a gentileza que Vossa excelencia use a sua influencia dentro do partido dos trabalhadores para que os integrantes do PT parem de se envolver em escandalos a exemplo como o Senador Suplici “tem uma imagem integra”
    O meu maior sonho é que o CQC e outros não consigam mais usar o congresso como pauta para seus programas
    Por favor o mais rapido possivel se desvencilie destas acusações e coloque o mais rapido possivel os seus projetos em pratica

    obirgado por sua atenção em ao menos ler o meu email
    Peço tambem que o senhor não fique me dando explicações sobre a sua idoneidade pois em sei que o senhor é VOTARIA EM VOSSA EXCELENCIA se candidato a presidencia da Republica

    Obrigado
    João Thiago Cianelli

    • João Thiago Cianelli

      9 de Maio de 2015 às 20:32

      Hoje não mais

  8. Eduardo Corrêa de Almeida

    4 de Abril de 2012 às 18:50

    Senhor ministro, ja que expõe soluções para a inclusão digital na escola, peço que os governantes tenham mais compromisso com os meios tecnológicos disponibilizados nas instituições educacionais. Onde o descaso e grande pois não basta enviar recursos tecnológicos e não se preocupar se esses recursos estão em pleno funcionamento ou se ao menos foram instalados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *